domingo, 20 de março de 2011

Pergunta-se:

Difícil de ver o (im)possível devir?

...e quando não há mais espaço para o debate,
os corpos se debatem em busca de vácuo, em busca de ar,
precisam de vida, precisam respirar

Os corpos irrompem, no limiar,
de volta ao nada, para além do mesmo, algo novo
- Dever de devir ou pulsão de amar?

Para não mais dividir, nem simplesmente somar
potência ao corpo, corpo em demência...
falência múltipla de órgãos para um corpo salutar

sábado, 5 de março de 2011

...

Isso
Isso
Isso
Isso


.
.
.

Isso
Isso
Isso
Issôo
Issôo-o
Isso
Iso
Izo
Izoo
Zoo
Izo
Esquizo
Isso
Isso
Isoo
Isooo
Iooo
Io-io
Iooooo
Ioooooo
Isoooo
Isso
Isso
Isso


.
.
.

Isso
Isso
Iss
Isss
Issss
Isoso
Sos
Isso
S
SS
S
SS
S
SS
S
SS
S
S
S
S
Ss
S
S

S
S

S
S

S
S

S
S
S


.
.
.


S
S
S
S
Iso isso
Isso
Si

Issoo

Isso


.
.
.

Isso
Iss
o
Is
s
o
I
s
s
o

.
.
.


... Isso ISOSI IssO IsOs iSSo IsSo iSoS issO issO iOOOSSS OOOSOSOSOSO
Ossi ossi ossi ... ossi ossi
        osso osso so ...
                                .
                                . 
                                .
                                  ...

Relâmpago de insanidade:

Breve dialogo

MORRE, VIDA, MORRE! – Esbravejou a Morte.
Morrer? Não posso – disse a Vida – Eu tenho de viver, eu tenho de florir, germinar e foliar...



ressonâncias de...

Atônitos antônimos de antíteses & sínteses

& o incômodo passional
que pensei jamais me abalar
abalou-me

& a infantilidade possessiva
que pensei para sempre sobrepujada
sobrepujou-me

& sem rima
nem concentração
na imperfeição da paixão
que não acalma

tudo se repete
nada se encarna em palavra
tudo flui na arma que escalavra
e mancha o carpete