quinta-feira, 30 de junho de 2016

Dit moi...

Que doit-je faire avec tout cela?

que faço eu?
que faço eu com isto;
que faço eu diante disto
de certo modo intangível
e por isso mesmo desejável
e por isso me apraz tanto?

apraz-me
a carícia
no intocável;
o sussurro
do indizível;
o olhar oblíquo e dissimulado
ao invisível.

que faço eu?
que faço eu com tudo isto
que é tão pouco
e ainda assim me transborda
circundar sem que se possa abordar
atracar nesse mar
parar no tempo
viajar no espaço do mesmo lugar
deslizar sobre a fina camada de gelo
riscando, o gelo, sobre ele
o risco de responder:
que faço eu com tudo isso, aí?

Nenhum comentário: