terça-feira, 25 de julho de 2017

meio sem jeito

Rabisco de soneto


Ah! Quanto tanto em meu peito!
Que eu o preciso falar,
Que eu preciso é gritar;
E nem que gozasse no leito

Por horas e horas a fio,
Seria tanto tanto quanto
Essa coisa de andar por um fio
(Ainda que dissolva algo no pranto)

Sem soltar sequer um pio,
Sem deixar escapar um ai,
Desse sentimento que vai

Queimando-me do mais alto fio
de cabelo até a sola dos pés
‒ e nem posso dizer que tu és!


Nenhum comentário: